NÓS QUEREMOS GROOVE

18 abril, 2014
É inegável o quanto é empolgante essa fusão funk-soul-jazz, criada durante a explosão criativa do meio dos anos 60, e que teve na gravadora Blue Note um forte alicerce de propagação. Um dos precursores desse movimento foi o saxofonista Lou Donaldson, era o nascimento de um groove balançado e cheio de improviso, cuja onda levou outros gigantes do jazz a aderirem a essa música, como Grant Green, Herbie Hancock, Freddie Hubbard, Donald Byrd, Lee Morgan, Miles Davis, George Benson, Joe Zawinul, entre tantos outros.
O início dos anos 70 manteve forte esse movimento e também ganhou base na gravadora CTI, liderada por Creed Taylor. O Brasil também deu sua contribuição com Eumir Deodato e Raul de Souza, nossos principais expoentes nessa onda.
A inclusão da eletrônica contribuiu muito, o uso do piano rhodes, sintetizadores e o balanço funky da música negra, elementos determinantes para popularizar o ritmo. Daí surgiram outras fusões, lideradas pelos DJs, mixando gravações originais com as vozes das ruas, o hip-hop e o rap, até que nos anos 90 se estabeleceu o acid jazz como tendência.
Difícil mesmo é não se influenciar e se contagiar por essa onda.

Joe Bonamassa

Surpreendentemente e com muita originalidade, o guitarrista Joe Bonamassa, com sua forte raiz de blues-rock, mostra como essa influência é marcante e que também tem domínio da linguagem fusion do funk-jazz. É, sem dúvida, um dos músicos mais extraordinários surgidos nos últimos tempos.
Rock Candy Funk Party traz o registro ao vivo do grupo formado por Bonamassa, Tal Bergman na bateria, Ron DeJesus na guitarra, Mike Merritt baixo, o brasileiro Renato Neto nos teclados e Daniel Sadownick na percussão. O disco é o registro de três noites no clube Iridium em NY, nos dias 7, 8 e 9 de junho de 2013, lançado em CD duplo e DVD-Bluray.  Uma evolução do disco de estúdio We Want Groove (J&R Rec), lançado em janeiro do mesmo ano, e que teve como referência o trabalho que o baterista Tal Bergman realizou com o guitarrista Ron DeJesus intitulado Groove Vol.1 (2007).
Rock Candy Funk Party é uma celebração ao movimento dos anos 70 e 80.

"Foi uma experiência musical e tanto realizar esse trabalho e tocar com esses caras, foi um desafio e nos divertimos muito", disse Bonamassa.

Joe Bonamassa

São 12 composições, sendo 9 escritas pelo baterista Tal Bergman, que na verdade liderou esse projeto. É uma verdadeira viagem sonora, contagiante e balançada com muito groove e improvisos do jeito que a gente gosta. São duas guitarras para não deixar espaço vazio - no canal esquerdo o calor da Les Paul de Bonamassa e no canal direito o som estalado das Tele e Strato de DeJesus, sem falar nas conduções rítmicas de Merritt e Bergman, no colorido percussivo de Sadownick e, fundamental, o rhodes rasgado de Renato Neto.

O balanço funk está presente em "Octopus-E", "Dope on a Ruge" e "Ode to Gee"; "Spaztastic" carrega uma marcação frenética acamada pelas teclas de Renato Neto e pela guitarra de Bonamassa. Até nas baladas não perderam a atmosfera da época, a bela e estonteante "New York Song" e "The Best Ten Minutes of Your Life", uma viagem quase lisérgica e que incorpora uma citação melódica de "So What" (Miles).
"Steppin in It" revive Herbie Hancock (Man Child, 1975), em que Renato Neto põe fogo no rhodes; assim como em "Heartbeat", com improvisos incendiários levados pelos desenhos das linhas de baixo de Merritt e, aqui, Ron DeJesus e Bonamassa fazendo, literalmente, a casa cair .
"Mr Clean" é um clássico do mundo CTI, protagonizado pelo trompetista Freddie Hubbard (Straight Life, 1971), na época com um super time da pesada. O tema aqui é introduzido pelo wah-wah de DeJesus e Bonamassa mais uma vez largou a mão e ainda com direito a uma citação de "Jean Pierre" da fase Miles elétrico. Essa onda Miles inspirou o tema "We Want Groove" e colocaram "One Phone Call" (You´re Under Arrested, 1986), que fecha o disco, dando espaço para os solos de Sadownick e Bergman.

Nós queremos Groove ?! Aí está.
Obrigatório !


www.rockcandyfunkparty.com/

Mais Joe Bonamassa -

Live at Vienna Opera House Joe Bonamassa : See Saw Joe Bonamassa : Don´t Explain Black Country Communion

ELAS : IMELDA MAY

05 abril, 2014
Eu conheci essa moça no video em homenagem a Les Paul liderado pelo guitarrista Jeff Beck, Rock'n'Roll Party, gravado ao vivo no Iridium, NY, em 9 de junho de 2010, data que celebraria os 95 anos de Les Paul.
Imelday May era a voz a frente de um super grupo que ainda contou com as participações de Brian Setzer e Trombone Shorty em um repertório dos anos 50 e 60, com direito a uma arrepiante interpretação de Cry me a River além de muitas composições do homenageado.

Imelda Mary Higham é irlandesa, cresceu em Dublin, é a mais nova de cinco irmãos, e recebeu muito da influência musical que eles ouviam em casa, principalmente Elvis, que era o preferido de um deles. Aos 4 anos de idade já estava cantando com sua irmã na igreja e não parou mais, até que aos 9 anos apaixonou-se pelo Rockabilly e pelo Blues.
Sua carreira musical como cantora iniciou de verdade aos 16 anos, se apresentando no circuito de bares locais. Na época, já tinha fôlego de cantora. Certa vez, seu pai, a vendo triste por ter sido largada pelo namorado, pergunta a ela se seu coração está quebrado e, com a afirmação dela, diz ele, muito enfático - "Então agora voce pode cantar Blues"; e Imelda se entregou e carregou consigo a influencia do Blues de Elmore James e Billie Holiday e do Rockabilly de Buddy Holly e Eddie Cochran. E esse estilo reflete em seu visual e vestuário. Que bela moça !
Ao lançar seu primeiro album, No Turning Back (2003), muda-se para Londres com o marido e guitarrista Darrel Higham e forma seu próprio grupo, que hoje ainda conta com o baixista Al Gare e o baterista Steve Rushton. Seu segundo album, Love Tatoo (2007), foi muito bem recebido pela crítica e alcançou o primeiro lugar nas paradas irlandesas e esse destaque chamou a atenção do apresentador Jools Holland, que a convidou para participar de seu programa e conquistou uma super audiência.
Após receber o prêmio de "Female Artist of the Year" pela Meteor Awards em 2009, partiu em turnê pela América e apresentou-se na edição do Grammy no ano seguinte realizando uma homenagem a Les Paul.
Com seu terceiro album nas mãos, Mayhem (2010), Imelda reforça sua marca no som Rockabilly e alcança a posição número 1 nas paradas, o album chegou na marca do meio milhão de vendas e deu a ela um status de "superstar", e novamente aproveitou a mídia da TV para lançar o album no programa "Tonight Show with Jay Leno".
E já tem album novo a caminho, Tribal, com previsão de lançamento para junho de 2014.

Mais sobre Imelda May em  imeldamay.co.uk/