SANTOS JAZZ FESTIVAL 2017


O Santos Jazz Festival 2017 trabalhará temas com identificação às origens do jazz homenageando as mulheres, que esse ano, estão em maioria na programação.
O show de abertura será com a banda Divazz que desenvolveu um repertório especialmente para o festival, incluindo temas de Ella Fitzgerald, Nina Simone, Billie Holiday, Aretha Franklin, Esperanza Spalding, Madeleine Peyroux e outras grandes intérpretes. Outro show conceitual é Blubell Canta Madonna que, com seu quarteto, veste com roupa jazzística os clássicos da cantora pop. E ainda Rosa Marya  & Banda Jazzileira, Carla Mariani Blues com o show Jazz Divas e Dolores in Blues. Também é tema central do festival o combate a qualquer tipo de preconceito. Liniker & os Caramelows e Ellen Oléria & Banda foram os convidados para levar a bandeira da diversidade de gêneros, racial e social e respeito às diferenças. Entre as atrações internacionais, Ari Kumar Blues Band (Califórnia - USA), Alba Santos (Espanha), Jes Condado & Banda e Trio de Cuatro (Argentina).

A abertura do festival será no Sesc Santos com o show da banda Divazz. Os outros 16 shows acontecerão no espaço "Arcos do Valongo", no Centro Histórico de Santos, situado ao lado da Estação de Bonde do Valongo, da Igreja do Valongo e do Museu Pelé. O espaço também fica bem próximo ao Prédio da Bolsa do Café e Casa da Frontaria Azulejada, referências históricas da cidade.
Por ser um amplo espaço, serão oferecidas outras atrações como food trucks, food bikes, bares, espaço kids (onde os pais podem deixar os filhos com monitoras), Space Maker, com impressora 3D (faça seu próprio instrumento) e Feira de Vinil. Teremos também os lançamentos do livro Blues – The Backseat Music, do jornalista Eugênio Martins Jr e do CD do Igor Willcox Quarteto.

A entrada no espaço Arcos do Valongo e todos os shows são gratuitos, inclusive o do Teatro do Sesc.

Mais informações em www.santosjazzfestival.com.br/

Programação -

Abertura - Teatro do Sesc
Quinta-feira, 27/07
     21h - DIVAZZ - Tributo às Divas Jazz (participação de Rosa Marya)

Sexta-feira, 28/07
Palco Arcos do Valongo
     19h Rosa Marya & Banda Jazzileira
     20h30 50 anos dos Afro-sambas – Quizumba Latina & Lucia Spivak (Argentina)
     22hs Ari Kumar Blues Band (USA)
     23hs Liniker e os Caramelows

Sábado, 29/07
Estação do Valongo
     06h 6° Valongo Motor Classics
     12h Komboio Cultural
Palco Arcos do Valongo
     13h Djs Santos Jazz + Feira Arts & Foods
     15h Escola Simonian in Concert
     17h Carla Mariani & Banda – Tributo às Divas do Jazz & Blues
     18h30 Thiago Espírito Santo & Silvia Goes convidam Alba Santos (Espanha)
     20h Igor Willcox 4tet
     21h30 Blubell & Banda
     23h Ellén Oléria & Banda

Domingo, 30/07
Palco Arcos do Valongo
     13h Djs Santos Jazz + Feira Arts & Foods
     14h30 Banda Marcial de Cubatão – Clássicos do Jazz
     16h Dolores in Blues
     17h Jes Condado & Banda (Argentina)
     18h30 Roberto Sion & Anaí Rosa
     20h Tradicional Jazz Band
   
Eventos paralelos:
Sexta-feira, 28/07
     Street Jazz Band – 12 às 14h (Restaurantes do Centro Histórico)
     Barca DH – 17h (Santos\Vicente de Carvalho)
Sábado, 29/07
     Lançamento do livro Blues – The Backseat Music, do jornalista e produtor Eugênio Martins Júnior
Sábado e domingo
     Bonde Jazz - 15 e 17h

Cine Santos Jazz
     28 a 30/07: Sessões da 18h30 (Cine Arte Posto 4)
Oficinas:
      Roberto Sion (Domingo/manhã)
      Thiago Espírito Santo (Domingo/tarde)

O Palco Arcos do Valongo fica na rua Comendador Neto, 9. Atrás do Museu Pelé, no Centro Histórico de Santos.
O Sesc Santos fica na rua Conselheiro Ribas, 139 – Aparecida.

Atrações:

Divazz - Neste projeto as duas vocalistas do Programa Altas Horas e Corina Sabbas (do Programa Sexo e as Negas) apresentam um show vibrante e surpreendente. Elas montaram um show especial para o Santos Jazz 2017. No repertório, temas das divas do jazz, Ella Fitzgerald, Billie Holiday, Sarah Vaughn, Anitta O’Day, e as musas do blues, Etta James, Koko Taylor, Shemekia Copeland e muitas outras. Inspiradas pelos Girls Groups norte-americanos das décadas de 60 e 70, como The Supremes e The Marvelettes e aproveitando os diferentes timbres de voz de cada uma, as cantoras Graça Cunha, Nanny Soul e Corina alternam-se entre solos, duetos e novos arranjos vocais, apresentando ao público um show para lá de vibrante.

Rosa Marya e Banda Jazzileira – Idealizada pelo saxofonista Maurício Fernandes, a banda está acostumada a apresentar repertório autoral e releituras instrumentais de compositores populares como Duke Ellington, Tom Jobim, Wayne Shorter, Jonnhy Alf e outros. Já Rosa Marya trabalhou no lendário Beco das Garrafas ao lado de grandes nomes da música brasileira como Sérgio Mendes, Luiz Eça e Edson Machado. É antológica a sua participação na montagem brasileira do musical Hair, mas também é reverenciada pelos seus dotes jazzísticos e blueseiros. Juntos também farão um show especialmente montado para o Santos Jazz Festival. A Jazzileira é Ricardo Teixeira (bateria), Nei Rocha (baixo acústico), Daniel Simonian (guitarra), Robson Nogueira (piano), Sandiego Santos (tuba), André Farias (flauta), Rich Nichols (trompete), Cláudio Guillen (trombone) e Maurício Fernandes (sax).

Quizumba Latina & Lucia Spivak – Afro Sambas – Quizumba Latina é formada por Ugo Castro Alves, Theo Cancello, Rodrigo Vilela, Rodrigo Farias, Jonatas Silva e Alan Plocki, experientes e requisitados músicos do cenário santista. Nasceu quando o músico e produtor Ugo Castro Alves propôs ao cenário musical de Santos as noites de AFROLATINA, febre que rapidamente se espalhou pela cidade. Na festa, que acontece em diferentes locais, a banda anfitriã recebe convidados especiais para participações e improvisos no palco. No Santos Jazz recebe a cantora Lucia Spivak.

Aki Kumar - O indiano Aki Kumar se mudou para o Vale do Silício, na Califórnia EUA, aos 18 anos de idade. Seu objetivo, como o de muitos outros, era ser um engenheiro de software bem-sucedido, porém, algo aconteceu ao longo do caminho: ele descobriu a música de Howlin 'Wolf e os clubes de Blues na área da baía de São Francisco. Seu primeiro álbum foi lançado em 2014, intitulado Do Not Hold Back; o segundo Aki Goes to Bollywood (2016), saiu pelo selo Little Village, do conceituado bluesman Jim Pugh. No Brasil uma banda de feras acompanha o indi-californiano: Beto Zigler (bateria), Raoni Bracher (baixo), Danilo Simi (guitarra), Nicolas Simi (guitarra) e Marcelo Naves abre o show com sua harmônica.

Liniker e os Caramelows – é o resultado de um encontro entre a cantora Liniker e uma banda de Araraquara formada por Rafael Barone (baixo), William Zaharanszki (guitarra), Pericles Zuanon (bateria), Márcio Bortoloti (trompete) e Renata Éssis (backing vocais). Logo lançaram Cru, o primeiro EP, embalado pelo primeiro single, "Zero". Os vídeos com a interpretação das canções do projeto ganharam milhões de visualizações rapidamente.  Durante a turnê de divulgação do trabalho, a banda realizou 80 shows por diversas partes do Brasil. Remonta, o álbum de estreia, lançado em setembro de 2016, contou com a ajuda dos fãs através por meio de financiamento coletivo no Catarse. Hoje Linker e os Caramelows são artistas em ascensão, tendo seus shows concorridíssimos pelos fãs.

Komboio Cultural - É uma ação itinerante de ativação cultural em espaços públicos, destinado a ocupar praças, ruas, parques e afins com arte e cultura. É plataforma para diversas linguagens artísticas e manifestações culturais, em especial a música, por seu alcance. O Komboio chega com toda a sua estrutura para as apresentações ao ar livre, sem cobrança de ingresso, democratizando o acesso à arte e garantindo este direito constitucional de todo brasileiro. O Komboio vem desde 2016, circulando por espaços públicos das cidades da Baixada Santista e Grande São Paulo. Em cada espaço apresenta diferentes formações e atrações. No Santos Jazz Festival 2017, apresenta o que há de melhor na música instrumental e na canção popular.

Carla Mariani – Na voz da cantora santista, o Show Blues & Jazz Divas leva ao público uma homenagem às grandes cantoras do Blues e Jazz, fazendo uma passeio na história destes estilos. A apresentação conta com nomes como Janis Joplin, Nina Simone, Etta James, Ella Fitzgerald, entre outras, até chegar em nomes atuais como Joss Stone e Norah Jones, além de composições autorais. Está lançando Time, seu primeiro EP.

Thiago Espírito Santo & Silvia Goes convidam Alba Santos – É da intimidade entre mãe e filho que nascem o CD e o show “Intuitivo”. Duas gerações de músicos que dedicam suas vidas ao ofício. Dessa cumplicidade e parceria, surge lindamente um trabalho coeso, que passeia pelos ritmos brasileiros com a naturalidade de uma conversa fluída na sala de casa. Com habilidade e naturalidade, os músicos compõe um cenário sonoro repleto de nuances e particularidades, que leva os ouvintes à criação de imagens, locais e situações fora da sua rotina. E nesse passeio musicado estão presentes samba, o choro, o bolero, o samba-canção e o jazz. Nesse show especial, convidam a cantora Alba Santos, espanhola, com uma bagagem e formação jazzística, que vem pesquisando as sonoridades brasileiras e sul americanas desde que desembarcou no Brasil em 2010. Fruto desse interesse desenvolve seu trabalho autoral, reflexo de todas as experiências vivenciadas e que resultam numa linguagem e sonoridade próprias, com matizes do flamenco espanhol, melodias jazzisticas, e com o tempero da música latino americana.

Igor Willcox 4tet - Baterista e compositor, Igor Willcox apresentará as músicas do seu primeiro álbum solo, entitulado #1. Com elementos do jazz, funky e fusion, o disco mostra o lado  compositor do artista, explorando toda sua  musicalidade, espontaneidade  como baterista e interação com os músicos.  O cd conta com as participações de Bocato, Carlos Tomati, Vini Morales,  Clayton Sousa, Glecio Nascimento, Rubem Farias, Bruno Alves, Erik Escobar, Jj  Frannco, Fernando Rosa e Marcus Cesar. O quarteto já esteve presente em  alguns dos principais clubes e festivais de Jazz de São Paulo como, Jazz nos Fundos, Jazz no Hostel, Omalley's,  Madeleine, Jazz It Up, Bar de Cima, Qualcasa, The Orleans, Play Jazz  Festival, entre outros.
Igor Willcox Quartet é formado por: Clayton Sousa (saxofone),  Vini Morales (piano elétrico e synths),  Glécio Nascimento (baixo), Igor Willcox (bateria).

Blubell & Banda - Em Blubell canta Madonna o público do Santos Jazz Festival será embalado pela performance cheia de bom humor e teatralidade da artista. Trata-se de uma fusão harmoniosa dos ritmos dançantes do jazz e pop, a cantora e compositora Bluebell repagina sucessos da rainha do pop, Madonna, além de temas de outros albuns que já fazem parte de seu set list. Bluebell vem com seu grupo, Hugo Hori/Marcelo Pereira (sax), Daniel Grajew (piano), Igor Pimenta (baixo) e Carlinhos Mazzoni (bateria).

Ellen Oléria - Cantora e compositora com 15 anos de carreira. Aumula prêmios em festivais e tem cinco discos lançados. Em sua mais recente turnês alcançou cidades de norte a sul do Brasil e também o público de Espanha, França, Angola, Estados Unidos, Inglaterra, Rússia, Japão e Taiwan. Seu recente projeto musical é o Afrofuturista,  trabalho em que a artista combina com maestria ritmos brasileiros como o samba, o forró, o carimbó, o afoxé, o maracatu com os timbres e arranjos contemporâneos que apontam para um encontro urbano de identidades e discurso do protagonismo das comunidades negras no Brasil. A versatilidade de Ellen estende-se também ao seu ativismo político que podemos acompanhar no Estação Plural, talk show criado pela TV Brasil para tratar de pautas de comportamento e temas do universo LGBT. No inovador programa da TV Pública, Ellen Oléria estreia como apresentadora.

Dolores in Blues - é uma homenagem do músico, pianista, cantor e compositor João Leopoldo à obra de Dolores Duran. Uma releitura sensível, mostrando como a música de Dolores dialoga com o blues e este com o samba-canção, lembrando o tom dos velhos bares esfumaçados e cheios de histórias de encontros e desencontros. A música de Dolores Duran é atemporal. Seu idioma é o amor. Uma das mais respeitadas e importantes cantoras de sua geração, ela falou de sentimentos como ninguém, em todas as línguas. Dolores representa um momento de boemia intensa e criativa no Brasil, em um estilo que nunca será esquecido ou ficará ultrapassado ― suas músicas falam do amor de uma maneira delicada, mesmo que às vezes exagerada ou "dolorida demais". Dolores foi a primeira compositora popular de projeção nacional e um dos maiores expoentes do gênero naquela década de 1950. Escrevia na mesa dos bares, bebendo e fumando, ouvindo canções de bolero, salsa, choro e samba. Não faltarão canções como: "A Noite do Meu Bem", "Castigo", "Fim de Caso" e as parcerias com Billy Blanco, Vinícius de Moraes e Antônio Carlos Jobim.

Jes Condado - Cantora e baixista de blues e soul da Argentina, residindo atualmente no Brasil, apresenta o seu segundo disco, Natural, produzido pelo guitarrista Netto Rockfeller, conhecido da cena blues brasileira.
Natural é o primeiro disco inteiramente autoral da cantora, com músicas em espanhol, português e inglês. Influenciada pelo soul e o blues de Ruth Brown, Etta James, Aretha Franklin, Sharon Jones e Nina Simone, o disco procura um som moderno com reminiscências dos anos 60s e 70s. Jes Condado nasceu em Mendoza, Argentina, mas morou a maior parte da sua vida em Buenos Aires. Toca guitarra, baixo e continua estudando canto. Mudou-se ao Brasil em março de 2015 para continuar sua carreira musical.

Roberto Sion & Anaí Rosa – O santista Roberto Sion dispensa comentários. Saxofonista, flautista, clarinetista, arranjador, compositor, maestro e professor, tornou-se um dos grandes nomes da música instrumental brasileira. Estudou na faculdade de música de Berklee com Ryo Noda e Lee Konitz, e participou de inúmeros álbuns nacionais. Ao lado de Nelson Ayres, Zé Eduardo Naza´rio, Zeca Assumpção e Luiz Roberto Oliveira, participou como compositor e instrumentista do filme Mandala.
O repertório do Santos Jazz traz temas instrumentais e Luz do Sol (Caetano Veloso), Bisa do Mar (João Donato e Abel Silva), Ladeira da Preguiça (Gilberto Gil), Folhas Secas (Nelson Cavaquinho e Guilherme Brito), Vale o Escrito (Filó Machado) e muitos outros na voz de Anaí Rosa.

Traditional Jazz Band - Ano 1964. Tempo do grande "boom" cultural e político que sacudiu e revolucionou o mundo todo. Época dos Beatles, Rolling Stones, cabelos compridos, pílula anticoncepcional, Bossa Nova e protestos nas ruas. Nas faculdades proliferavam grupos amadores de teatro, música e movimentos de cultura popular. Foi nessa época que um grupo de jovens universitários paulistanos se uniu com a proposta de não copiar o jazz primitivo, mas sim recriá-lo num espírito evolutivo. Nascia a Traditional Jazz Band (TJB) que há mais de quatro décadas mantém viva as raízes do gênero no Brasil. A banda é formada por Alcides Lima, o Cidão (bateria e washboard), Edo Callia (piano), Eduardo "Dudu" Bugni (banjo e violão), William Anderson (Trombone), Carlos Chaim (contrabaixo), Austin Roberts (trumpet) e Marcos Mônaco (clarinete, sax-alto, sax-tenor, sax-soprano e flauta), e já realizou centenas de shows no Brasil e no exterior, incluindo participações de destaque em vários Festivais de Jazz nas cidades de New Orleans, Califórnia, Washington, Boston e em países como a Argentina, Uruguai, Chile e Paraguai. Com cinquenta e três anos de carreira, a Traditional Jazz Band já lançou 21 CD’s e se prepara novidades no decorrer do ano. O humor é uma outra característica que não podemos deixar de citar. O clima é descontraído e informal, misturando música e informação. Resultado: o público se diverte e aprende a conhecer um pouco mais sobre essa música que nasceu tão longe do Brasil, mas que cada vez ganha mais adeptos.